Tribuna Popular - Representantes da CAPEDAC e Casa Souza Aguiar expõe as dificuldades com a falta de insumos e profissionais para atender a demanda nas oficinas.

por Lucivania Marques publicado 24/02/2022 14h25, última modificação 25/02/2022 13h23


Atendendo a propositura da vereadora Lene Petecão (PSD), o espaço Tribuna Popular desta quinta-feira (24), da Câmara de Rio Branco foi cedido para o Representante da CAPEDAC (Centro de Apoio as Pessoas com Deficiência física do Acre) e da Casa Souza Araújo, para explanarem sobre as dificuldades que enfrentam com a falta de insumos e profissionais.

Representando a CAPEDAC (Centro de Apoio as Pessoas com Deficiência física do Acre) – Sr. Mazinho Silva, que  trabalha nessa área há 42 anos, lamentou a situação que se encontra a oficina, segundo ele, o local está em situação insalubre, sem insumos, material adequados, cadeira de rodas, profissionais, e quando tem esses profissionais não tem como eles realizarem o serviço por falta de equipamentos.

Ainda em sua fala, Sr. Mazinho destacou a necessidade de ter o cadastro feito pela SEMSA para saber o número de pessoas com algum tipo de deficiência, e lamentou a falta de acessibilidade por parte do transporte público na Capital.

‘’Hoje eu faço até uma provocação aqui para vocês vereadores e também para as pessoas que estão aqui, para usar a assistência do município para fazer o cadastro de pessoas com algum tipo de deficiência, de saber o numero dessas pessoas, hoje estimasse hoje aqui no Brasil tenha em torno de 4,6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, mas quais são os tipos de deficiência, o nosso Estado não tem esse número, no nosso município não tem esse número, se nós fizermos isso e buscarmos essas pessoas fica mais fácil de trabalhar, com esses números é mais fácil de criar políticas públicas, vocês criarem uma assistência para essas pessoas ‘’ disse Sr. Mazinho

Representando a Casa de Acolhida Souza Araújo – Sr. Ocean, tratou a respeito das pessoas com hanseníase, pontuou a necessidade do acompanhamento necessário, por profissionais qualificados e a importância de o quanto antes ter o acompanhamento necessário para não ocasionar o agravamento da doença.

Autora do requerimento, vereadora Lene Petecão (PSD), destacou a importância para que o poder público tenha o olhar e o devido acompanhamento para essas pessoas com algum tipo de deficiência em Rio Branco, e informou que irá apresentar encaminhamento a SEMSA para saber o que é possível fazer na prevenção básica ‘’Nós temos o grande numero com pessoas com deficiência, e não temos olhar do poder público infelizmente, ano passado estive na oficina, um ano se passou e nada aconteceu (...) tem que ser um diagnóstico para aplicar as políticas públicas’’, concluiu a vereadora.