“A sensação de impunidade das leis ambientais gerou o aumento das queimadas e desmatamento”, alerta Forneck

por Victor Augusto Farias publicado 15/08/2019 19h38, última modificação 15/08/2019 19h38

De acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o desmatamento no Acre aumentou 300% entre junho de 2018 e junho deste ano. Como resultado, quase 30 mil acreanos foram atendimentos nas unidades de saúde do Estado, devido doenças respiratórias.

O líder do Executivo na Câmara de Vereadores de Rio Branco, Rodrigo Forneck, utilizou a tribuna nesta quinta-feira, 15, para alertar as autoridades sobre o assunto. “O resulto do estimulo à transgressão das leis ambientais, promovido pelos nossos governantes, é catastrófico: desmatamento aumentando e unidades de saúde lotadas. O que se espera é não apenas um trabalho de repressão, mas de conscientização dos governantes junto à população”, salientou.

Para Forneck, a elevação dos índices de queimadas e desmatamento na Amazônia são consequências da sensação de impunidade das leis ambientais, estimulada pelos chefes de Estado como o presidente Jair Bolsonaro e o governador Gladson Cameli.

O parlamentar também alertou sobre perda de R$ 155 milhões de investimentos na Amazônia. “Por conta da legitimação de práticas ambientais criminosas, tivemos a suspensão de investimentos internacionais para a promoção de ações na Amazônia, como fez o Ministério do Meio Ambiente da Alemanha. A irresponsabilidade promovida por gestores maiores está gerando fissuras sociais no país”, endossou Rodrigo.

 

Ascom Ver. Rodrigo Forneck

error while rendering plone.comments